Início / Notícias / Política / Assembleia aprova lei que proíbe o uso de algemas em apenadas em trabalho de parto

Assembleia aprova lei que proíbe o uso de algemas em apenadas em trabalho de parto

Os deputados da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) aprovaram, nesta terça-feira (07), o Projeto de Lei 1.438/2017, de autoria da deputada Estela Bezerra, que proíbe o uso de algemas em mulheres apenadas ou internas em trabalho de parto em estabelecimentos de saúde pública ou privada.

A autora da propositura explicou que o projeto busca humanizar o trabalho de parto, e que se assemelha a leis que já funcionam em outros estados do país. “A gente está discutindo a violência obstétrica, e um dos itens da humanização à assistência ao parto é você manter em condições seguras as mulheres. Você não encontra, a não ser que a mulher esteja com problema de transtorno, a necessidade de ter uma mulher algemada na hora do parto. Então, trata-se de uma legislação que em outros estados já funciona, e nós acreditamos que essa legislação contribui para a humanização da assistência ao parto”, defendeu.

Durante a Sessão Ordinária também foi aprovada o Projeto de Lei 1.364/2017, do deputado Renato Gadelha, que reserva 40% na contratação de artistas e grupos que representam a expressão cultural nordestina nos eventos realizados no Estado da Paraíba.

Para o autor do projeto é fundamental a conservação da cultura paraibana e a preservação dessa identidade através da valorização dos artistas da terra. “A música nordestina e paraibana tem grande valor histórico e é parte fundamental na formação da identidade do nosso povo. O presente projeto visa promover a valorização da cultura regional, atuando de modo a garantir a preservação das tradições históricas da nossa gente, ameaçadas pela mercantilizarão da indústria cultural”, afirmou.

Outro Projeto de Lei aprovado na reunião foi o 1.352/2017, de autoria da deputada Camila Toscano, que propõe a criação do Cadastro Estadual de Pedófilos. Segundo a autora da propositura, pessoas condenadas por pedofilia serão cadastradas para que não possam ser contratadas pelo Estado. “O intuito é que aqueles que foram condenados por pedofilia sejam cadastros para que se evite a contratação deles por parte do Estado. É um crime muito sério, que tem crescido muito, infelizmente, e essas pessoas merecem estar afastadas das nossas crianças, de trabalhar, por exemplo, na saúde ou na educação do nosso Estado”, declarou Camila Toscano.
Comissão de Constituição, Justiça e Redação
A Comissão de Constituição, Justiça e Redação, aprovou, nesta terça-feira (7), o Projeto de Lei 1.562/217, do deputado Trócolli Júnior, que concede benefícios fiscais relacionados ao Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual, Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotivos (IPVA) e Taxa de Licenciamento, incidentes sobre o veículo automotor de propriedade dos Oficiais de Justiça do Tribunal de Justiça do Estado da Paraíba.

A reunião presidida pela deputada Estela Bezerra contou com a presença da deputada Camila Toscano e dos deputados Anísio Maia, Hervázio Bezerra, Raoni Mendes e Trócolli Júnior. A Comissão apreciou 14 matérias, entre as quais seis foram vetos de autoria do Governo do Estado, que agora seguem para apreciação em plenário.

Agência ALPB

Sobre Redação Clip PB

Fundado em Dezembro de 2013, o Portal Clip PB é uma revista eletrônica online sediada em Campina Grande (PB), e tem como principal objetivo manter os internautas paraibanos informados com as notícias do Estado primando sempre pela qualidade, rapidez e imparcialidade dos fatos.

Verifique também

Há 70 anos, Câmara Municipal de João Pessoa reencontrava a democracia

Esta terça-feira, 14 de novembro de 2017, véspera de feriado da Proclamação da República, a …

Powered by keepvid themefull earn money

Redação Clip PB

Olá! Em que podemos te ajudar?

Olá! Em que podemos te ajudar?

ENTER para iniciar