Lava Jato e disputas regionais fazem senadores desistirem de reeleição

© Sérgio Lima

© Poder 360

Quatro senadores desistiram de tentar a reeleição para buscar uma vaga na Câmara dos Deputados –onde são necessários menos votos para se eleger. O medo de perder o foro privilegiado e as disputas regionais são os motivos mais comuns para isso acontecer.

Aécio Neves (PSDB-MG), José Agripino Maia (DEM-RN) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) estão envolvidos com processos na operação Lava Jato.

A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) pretendia disputar a reeleição ao Senado, mas foi preterida por Angelo Coronel (PSD-BA) na chapa governista da Bahia.

Com exceção de José Agripino, todos são senadores de 1º mandato. Gleisi é presidente nacional do PT. Aécio Neves e José Agripino já comandaram o PSDB e o DEM, respectivamente.

Os senadores Hélio José (Pros-DF) e José Medeiros (Podemos-MT) também vão tentar vaga de deputado federal. No entanto, eles são suplentes e só assumiram a vaga no Senado quando os titulares Rodrigo Rollember (PSB-DF) e Pedro Taques (PSDB-MT) foram eleitos governadores.

Aécio Neves (PSDB-MG)

Aécio Neves (PSDB-MG) buscará uma vaga na Câmara dos Deputados. A decisão foi comunicada em nota à imprensa. “Tomo essa decisão com a responsabilidade daqueles que sempre colocaram os interesses de Minas acima de qualquer projeto pessoal”, disse.

O político é alvo de profundo constrangimento dentro do PSDB depois de ter sido gravado pelo empresário Joesley Batista, em março de 2017. Ele pediu R$ 2 milhões, que seriam pagos com a venda de 1 imóvel. Após a gravação, Aécio foi afastado de seu mandato no Senado e se afastou também da presidência do PSDB.

Mesmo depois de sair do comando do partido, Aécio continuou exercendo influência sobre a legenda como presidente licenciado. Em novembro de 2017, destituiu o presidente interino Tasso Jereissati (PSDB-CE) e nomeou no lugar dele Marconi Perillo (PSDB-GO).

Perillo exerceu a presidência interina até Geraldo Alckmin (PSDB) ser eleito presidente do partido em dezembro de 2017.

Durante o período que comandou o partido, Tasso tentou fazer 1 movimento de autocrítica, chegando a veicular uma propaganda no qual acusava o PSDB de fazer “presidencialismo de cooptação”.

Eis a íntegra da nota enviada por Aécio Neves:

Caras amigas e caros amigos,

Nos últimos 30 anos, seja no Congresso Nacional ou à frente do governo do nosso Estado, dediquei minha vida a defender os interesses de Minas e dos mineiros.

Por isso, nos últimos meses, refleti muito sobre qual a melhor forma de contribuir para que Minas supere a dramática situação que enfrenta hoje e reencontre o caminho do desenvolvimento econômico e social vivenciado nos anos em que governamos o Estado.

Com o objetivo de ampliar o campo de apoio à candidatura que melhor atende ao projeto de reconstrução de Minas, a do senador Antonio Anastasia, informei a ele, hoje, minha decisão pessoal de não disputar, este ano, a eleição para o Senado, colocando meu nome como pré-candidato à Câmara dos Deputados, Casa que já presidi e onde, como líder partidário, à época do governo Fernando Henrique, ajudei a implementar algumas das principais reformas feitas no Brasil contemporâneo.

A gravidade da situação do nosso Estado exigirá uma bancada forte e unida na defesa dos interesses de Minas no Congresso e junto ao Governo Federal.

Estou certo de que poderei contribuir para isso.

Não foi, como podem imaginar, uma decisão fácil.

Por um lado, porque todas as pesquisas realizadas até aqui apontam meu nome entre os mais bem avaliados na disputa para o Senado.

Por outro, porque estão vivas na minha memória as inúmeras manifestações de estímulo que tenho recebido de lideranças dos mais variados setores e de todas as regiões de Minas.

Mas tomo essa decisão com a responsabilidade daqueles que sempre colocaram os interesses de Minas acima de qualquer projeto pessoal. Os que me conhecem sabem que foi assim que sempre agi e assim continuarei agindo.

Meus amigos,

Todos conhecem os ataques violentos e covardes de que tenho sido alvo. Diariamente as falsas versões engolem os fatos. Mas apesar de todas as injustiças, estou seguro de que, ao final, a verdade prevalecerá e com ela restará provada a correção de todos os meus atos.

Até lá, estarei lutando para que a verdade prevaleça.

Farei isso, em respeito à minha trajetória política, à minha família e a todos que me levaram a conduzir o que muitos consideram o mais exitoso governo da nossa história recente.

E farei isso, especialmente, em respeito a todos aqueles que sempre me honraram com a sua confiança.

Continuarei minha caminhada com o mesmo entusiasmo e determinação, e movido pelo mesmo sentimento que, há tantos anos, me trouxe para a vida pública: o amor a Minas e aos mineiros.

Aécio Neves

José Agripino Maia (DEM-RN)

Em junho, a 2ª Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) aceitou denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da União) contra o senador José Agripino Maia. A decisão tornou o congressista réu por corrupção, lavagem de dinheiro e uso de documento falso.

O senador já era réu em outro processo no STF por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. É acusado de participação em esquema que causou prejuízo de R$ 77 milhões na construção da Arena das Dunas, sede da Copa do Mundo de 2014 em Natal.

No final de julho, o senador anunciou oficialmente que não seria mais candidato à reeleição. Ele tentará o cargo de deputado federal, fazendo com que o filho, Felipe Maia, não dispute o pleito em 2018.

Eis a declaração enviada pela assessoria do senador:

“A decisão do senador José Agripino (DEM-RN) de se candidatar à Câmara dos Deputados, e não tentar a reeleição no Senado, deve-se a um acordo feito em conjunto com aliados para fortalecer a chapa da qual faz parte, pensando nas melhorias para o Rio Grande do Norte”.

Gleisi Hoffmann (PT-PR)

No último mês de junho, o STF (Supremo Tribunal Federal) absolveu a senadora Gleisi Hoffmann dos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva. No entanto, ela ainda responde a 1 inquérito na Lava Jato e é alvo de duas denúncias.

Gleisi abrir mão de disputar uma vaga no Senado para concorrer a uma na Câmara é visto como uma estratégia para manter o foro privilegiado, pois enfrentaria precisaria de menos votos para se eleger deputada.

No entanto, a presidente do PT declara que sua candidatura para deputada federal é uma maneira de ajudar a eleger outros candidatos do partido.

No sistema de eleições proporcionais há a figura dos “puxadores de votos”, na qual 1 candidato mais conhecido acaba elegendo com ele, por conta do quociente eleitoral, outros membros da coligação.

Leia a declaração enviada pela assessoria da senadora:

“Minhas principais pautas são as do povo brasileiro. A revogação da emenda constitucional 95, da reforma trabalhista e do ensino médio, e a revogação da tentativa de privatização da Petrobras. Vamos estar no Congresso Nacional ao lado de Lula, que será o próximo presidente, aprovando projetos que beneficiem o povo brasileiro. Nós acreditamos que tendo uma bancada forte na Câmara dos Deputados possamos influenciar mais para uma pauta progressista, uma pauta que dialogue com o direito dos trabalhadores. Vamos barrar essa pauta que está sendo aprovada no Governo Temer, que depõe contra os direitos do povo. Portanto ser candidata a deputada federal também faz parte de uma estratégia nacional”.

Lídice da Mata (PSB-BA)

A pessebista da Bahia tentou ser candidata a reeleição, mas foi preterida na chapa do governador Rui Costa (PT-BA). As duas vagas para a chapa governista ao Senado estão preenchidas por Jaques Wagner (PT-BA) e ngelo Coronel (PSD-SP).

Lídice foi a primeira mulher eleita senadora pela Bahia e preside o PSB no Estado.

A contragosto, ela aceitou ser candidata a uma vaga na Câmara dos Deputados, mas ressalta que a decisão foi injusta.

Leia a declaração de Lídice sobre o caso. A senadora comentou sobre sua candidatura durante a convenção nacional do PSB, em Brasília, no dia 4 de agosto:

“Sou candidata a deputada federal. Não temos dúvida, a candidatura de Rui [Costa, governador do PT], com todas as dificuldades de relação política que isso significou para o PSB, com todo o inconformismo do PSB com a decisão tomada. No cenário político da Bahia, não tem nenhum sentido o PSB não tomar outra posição que não seja compor com a candidatura de Rui, a não ser que saíssemos com candidatura, própria [para o governo], mas não nos preparamos para isso.

O partido lutou até o fim, denunciou essa posição, mas nós não podemos tomar essa posição em contraposição ao projeto político do partido. O projeto do PSB na Bahia é que ela possa ficar se desenvolvendo com base em pilares democráticos e progressistas. O que nos restava? Rasgar a história do partido para apoiar José Ronaldo [candidato do DEM ao governo da Bahia]?.

A nossa decisão é ter a minha voz a continuar representando as mulheres da Bahia e definir com a nossa posição que nenhuma mulher política a menos na Bahia. É claro que temos consciência que não foi uma posição boa e nem consideramos uma posição correta. Nós analisamos a possibilidade de termos uma candidatura avulsa [ao Senado], mas isso seria 1 sacrifício muito grande para o partido na sua base. O partido tem o direito e eu, o dever como presidente do partido [na Bahia], de ampliar a bancada de deputados federais e pelo menos manter a de estaduais, o que seria impossível se eu saísse com uma candidatura própria.”

Redação Clip PB
O Portal de Notícias Mais Completo da Paraíba - Fundado em Dezembro de 2013, o Portal Clip PB é uma revista eletrônica online sediada em Campina Grande (PB), e tem como principal objetivo manter os internautas paraibanos informados com as notícias do Estado primando sempre pela qualidade, rapidez e imparcialidade dos fatos.